Educação financeira: 8 dicas para economizar e juntar dinheiro

Com essas dicas simples de educação financeira você verá como é fácil cortar gastos em seu orçamento e assim fazer sobrar mais dinheiro!

cofre de porquinho rodeado de moedas e notas de dinheiro

Segundo o último levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a renda média dos brasileiros é de R$1.439,00, o que podemos considerar como pouco, afinal, só o gasto com aluguel, por exemplo, consome boa parte dessa renda. Mas, para piorar ainda mais a situação, a população brasileira não tem uma boa educação financeira

Isso significa que, além de ganhar pouco, costumamos gastar muito (às vezes até mesmo em coisas desnecessárias), fazendo com que sobre pouco ou nenhum dinheiro para juntar, o que consequentemente nos leva a viver no limite do orçamento mensal.

O problema de não saber como organizar sua vida financeira é que administrando seu dinheiro dessa forma, as chances são altas de acabar contraindo dívidas. Não é atoa que a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de dezembro do ano passado apontou que 66,3% dos consumidores brasileiros estão endividados.

Então, se você frequentemente se questiona sobre “Porque minha vida financeira não vai pra frente…”, saiba que a grande vilã dessa história é a educação financeira, mais precisamente a falta dela, que faz com que você não consiga equilibrar seus ganhos e gastos todos os meses.

Mas, calma, não precisa entrar em pânico achando que você nunca vai conseguir ter uma vida financeira estável. Isso não é verdade e nós vamos lhe provar no tema de hoje, mostrando que com pequenas atitudes é possível fazer a diferença em seu orçamento familiar. Preparado para aprender como cortar gastos e juntar mais dinheiro? Vamos lá?!

1. Comece a planejar e ter disciplina em sua vida financeira

A educação financeira se baseia em um bom planejamento, só que para isso é preciso ter disciplina, ou seja, querer fazer dar certo. Se você não tem vontade de mudar e principalmente de readequar seu padrão de consumo, provavelmente, não dará certo e viverá constantemente no aperto financeiro. 

Por isso, primeiramente você deve ter uma noção real de seu faturamento e despesas mensais, pois assim saberá o quando do seu orçamento está comprometido, quais são os gastos que mais pesam em seu bolso, o que não é uma prioridade e é possível economizar, enfim.

Essa maior consciência sobre suas finanças, lhe permitirá enxugar o orçamento sem ter que diminuir seu padrão de vida, como, por exemplo, cortando os desperdícios e as compras por impulso.

2. Elimine os pequenos gastos

Pagamos diariamente tarifas que achamos precisar, mas na verdade, podemos eliminar do nosso orçamento mensal facilmente. 

Tarifas e taxas de bancos, anuidades dos cartões de crédito, pagamentos para ter um e-mail personalizado e serviços de streaming são um bom exemplo disso.

E o melhor é que você está pagando podendo desfrutar desses serviços gratuitamente, afinal, hoje em dia existem os bancos e plataformas digitais que oferecem os mesmos serviços e produtos sem custo algum.

Segundo os especialistas financeiros, é possível economizar até R$1.700,00 por ano, apenas eliminando de suas despesas os gastos com essas tarifas e buscando opções mais baratas para comer e comprar. 

3. Reavalie seus financiamentos, dívidas e contratos 

Outra ótima dica de educação financeira que pode trazer uma boa economia em seu orçamento é reavaliar os financiamentos, dívidas e contratos em seu nome.

Estamos falando de financiamento de veículo/imóvel, um empréstimo, uso do limite do cheque especial, faturas do cartão de crédito, plano de saúde e seguros.

Busque sempre tentar renegociar as taxas de juros e o valor das parcelas, especialmente nos contratos como os planos e seguros.

Isso porque esses planos costumam aumentar o valor muito rapidamente, onde às vezes você pode estar pagando a mais e nem percebeu.

Além disso, cabe também tentar encontrar opções mais em conta do que os atuais serviços e produtos que você tem, como um cartão com juros menores e anuidade gratuita, um plano de internet mais barato e etc.

4. Busque contratar serviços mais baratos

Com o mercado atual, o que não faltam são boas opções de produtos e serviços com valores mais atrativos e é justamente aí que você deve procurar ajuda. 

Você não precisa ter a internet mais potente do mundo, você pode viver apenas com a Netflix ao invés da TV por assinatura, o plano pós-pago do celular pode virar pré-pago tranquilamente, enfim.

Com uma boa educação financeira será possível trocar as despesas mais caras por outras mais em conta e isso fará uma boa diferença ao final do mês.

5. Reavalie o seu custo de vida

Estamos acostumados a querer tudo que vemos na TV, que a outra pessoa tem, aquilo que o fulano indicou, enfim, achando que isso mudará nossa vida. 

Mas, o fato é que para saber com controlar seu dinheiro, será preciso primeiramente cair em si, ou seja, reavaliar seus hábitos de consumo.

Será que você realmente necessita de tudo isso que está consumindo e pesando em seu orçamento familiar?

Pois, saiba que quando você começar a repensar sobre seu custo de vida, verá que muitas dessas coisas podem ser cortadas sem impactar a sua qualidade de vida.

Por exemplo, hoje em dia não há mais a necessidade de manter uma linha de telefone fixo ou usar o carro até mesmo para ir à padaria a duas quadras de distancia de casa…

Esses gastos são provenientes do padrão de consumo da vida moderna, mas isso não quer dizer que você precise deles para ser feliz.

6. Reveja todos os seus empréstimos e dívidas

Se existe uma coisa que nos impede de ter uma vida financeira saudável são as dívidas e empréstimos, pois pesam demais no orçamento.

E o pior é que na falta de uma boa educação financeira, vamos fazendo um empréstimo para pagar outro, não é mesmo?

Mas, saiba que você pode mudar esse cenário e voltar a ter tranquilidade financeira, basta que comece a rever esses contratos e renegociá-los.

Com a queda da taxa básica de juros, isso ficou um pouco mais fácil, assim como passou a valer mais a pena pedir a portabilidade.

A portabilidade nada mais é do que a transferência de uma dívida para outro banco, que nesses casos, você irá migrar de um banco com juros mais altos para um com menores taxas.

7. Diminua o uso do cartão de crédito e evite os parcelamentos

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serasa no ano passado, os gastos com os cartões de crédito representam 30% da renda dos brasileiros…

Além disso, a pesquisa mostrou que quanto menor o poder de compra (menor salário), maior são os gastos no cartão, evidenciando a péssima educação financeira.

Ou seja, quem ganha menos acaba gastando mais e é aí que mora o problema, pois as chances de ter o nome negativado são altíssimas. 

Por isso, a nossa dica aqui para evitar o endividamento é ter controle sobre o uso mensal do limite do seu cartão. 

Comece estipulando um valor máximo de gastos (não é porque você tem 3 mil de limite que precisa usar tudo, ok?!) e depois passe a monitorar o valor da fatura.

Além disso, evite os parcelamentos longos, pois esses além de terem maiores taxas de juros, também comprometem o seu orçamento mensal por mais tempo.

O segredo é sempre tentar pagar a vista, nem que para isso você tenha que esperar um tempinho para juntar o dinheiro necessário, até porque assim consegue-se bons descontos.

8. Procure o melhor preço sempre

Se você quer saber como organizar sua vida financeira, tenha em mente que é fundamental buscar preços mais atrativos ao seu bolso.

Não deixe para abastecer o carro quando a gasolina estiver na reserva, pois assim terá que comprar o combustível no primeiro posto que aparecer.

Além disso, quando for ao supermercado, já saia de casa com uma lista de compras com os itens que realmente precisa comprar.

Também dê preferência para os produtos em promoção, frutas e alimentos da estação, enfim.

Se for comprar algum presente, roupa ou item para a casa, faça previamente uma pesquisa, para comprar preços e buscar a melhor oferta. 

Aliás, nas compras online, geralmente, os preços são mais baixos, você economiza tempo e dinheiro.

Sem contar nos cupons de descontos exclusivos e ter parte de seu dinheiro de volta, como é o caso dos cashbacks. 

Planejar os gastos com antecedência é uma das regrinhas de ouro da educação financeira, pois dessa forma terá certeza que está pagando o melhor preço. 

Viu só como as dicas de educação financeira não são um bicho de sete cabeças? Sempre há uma forma de economizar!

Você pode poupar até mesmo ganhando pouco e estando com o orçamento apertado, nem que seja um pouquinho todos os meses.

E para isso não há mistério, bastam apenas algumas mudanças de hábitos simples, que ao longo do ano podem fazer uma enorme diferença.

Então, comece hoje mesmo a montar o seu planejamento financeiro e faça as suas finanças prosperarem este ano!