Open Banking explicado para você

Aprenda de uma vez por todas o que é esse tal de Open Banking e como ele vai modificar a sua vida financeira!

Homem preocupado com contas chamar o banco para entender o open banking o que é e como funciona

Há alguns meses está sendo anunciado um novo sistema no mercado financeiro nacional, chamado de Open Banking. Mas, você sabe o que isso significa? Tem noção do quanto ele pode impactar a sua vida?

Bom, o Open Banking no Brasil ainda é uma novidade e vai gerar bastante dúvida ainda. No entanto, quanto antes você entender o que é e como funciona melhor, pois não é só o sistema bancário que ele irá revolucionar. 

Basicamente, quando esse sistema entrar em vigor, o cliente terá mais autonomia, onde será você que decidirá quando e com quais instituições bancárias deseja compartilhar seus dados financeiros.

Além disso, espera-se que com o Open Banking, mais produtos e serviços financeiros sejam disponibilizados ao cliente e o melhor, com custos menores. 

Então, nos do Notícia Oficial preparamos este guia rápido para que você entenda de uma vez por todas o que é esse novo sistema e como ele funcionará, para evitar passar perrengue depois! Aproveite!

Open Banking, o que é?

O nome é complicado e assusta, mas saiba que na prática é mais simples do que você imagina. Resumidamente, o Open Banking é um conjunto de tecnologias e regras que dará mais transparência e autonomia para os clientes.

De modo geral, trata-se de um “banco aberto”, um sistema que permitirá que você pegue todas as suas informações enquanto cliente e compartilhe com o banco ou instituição financeira que quiser.

Mas, que informações serão essas? Bom, todo o seu histórico de crédito que construir ao longo dos anos no banco que era cliente, como:

  • Contas pagas em dia
  • Salários depositados
  • Prestações em seu nome
  • Empréstimos
  • Perfil de gastos
  • Entre outros. 

Porque o Open Banking no Brasil será bom?

Agora que você já entendeu mais sobre o que é Open Banking, deve estar se perguntando por qual motivo iria querer compartilhar seus dados financeiros, não é mesmo?

O principal motivo é que ao levar informações sobre sua vida financeira para outras instituições você cria concorrência no mercado.

Assim, com os clientes querendo migrar de um banco para outro, a tendência é que a oferta de produtos e serviços aumente. 

Além disso, essa concorrência fará com que os bancos comecem a oferecer menores taxas, justamente para fidelizar o cliente. 

Por exemplo, se você tem uma conta corrente no banco X e deseja solicitar um empréstimo, mas os juros não estão bons…

Com o Open Banking, você pode pegar todo o seu histórico como consumidor e pagador e levar para o banco Y. 

Assim, o banco Y pode te dar uma taxa de juros mais baixa, fazendo com que o empréstimo fique muito mais vantajoso nessa instituição.

A verdade é que esse novo sistema será muito mais proveitoso para o cliente do que para o banco. 

Ao colocar nas mãos das pessoas a possibilidade de levar seus dados para onde quiserem, o Open Banking aumenta a competitividade entre os bancos e instituições financeiras e consequentemente mais benefícios são gerados. 

Mas, porque já não é assim?

Não temos essa liberdade financeira para lidar com o nosso dinheiro e histórico de crédito por um motivo bem específico: NÃO existe uma camada de tecnologia padronizada que permita aos clientes carregar seus dados de um banco para outro.

É justamente nesse ponto que o Open Banking no Brasil veio para mudar! Esse novo sistema propõe que todo o mercado financeiro tenha essa camada. 

As instituições continuariam com todos os mecanismos fortes de segurança, mas agora os clientes podem escolher dividir ou levar seus dados. 

Na prática, o “banco aberto” cria uma forma de instituições financeiras conversarem entre si, para que os clientes tenham mais vantagens e liberdade na hora de escolher. 

Quais instituições irão participar do novo sistema?

Open Banking Brasil não será obrigatório para todos, apenas para as instituições bancárias que funcionam sobre a regulação do Banco Central, como:

  • Banco do Brasil
  • Bradesco
  • BNDES
  • Caixa Econômica Federal
  • Citibank
  • Credit Suisse
  • Itaú
  • Santander
  • Entre outros

Em contraponto, algumas instituições terão adesão voluntária, tais como:

  • Mercado Pago
  • Nubank
  • Pic Pay
  • Etc.

Mas, via regra geral, quem aderir ao Open Banking terá reciprocidade, ou seja, quem participar do novo sistema terá direito a receber os dados de seus concorrentes, mas também o dever de compartilhar as informações de seus clientes, desde que esses permitam.

Quando o cliente autorizar essa troca de dados, a instituição poderá receber as informações por 12 meses. Após esse prazo, é preciso renovar a permissão novamente.

 Conclusão

Embora o nome seja complicado, não precisa ter medo, pois o Open Banking veio para melhorar a sua situação financeira!

Com esse sistema mais transparente, você não ficará mais dependente apenas do banco que tem conta.

Por exemplo, se o seu banco oferece um cartão de crédito com anuidade alta e poucos benefícios e o concorrente um sem anuidade e com muito mais vantagem, ficará muito mais fácil conseguir o cartão da outra instituição. 

Até o momento, pouco conseguimos fazer sem ser clientes de uma instituição, pois como essa não tem um histórico financeiro nosso, tende a não liberar o crédito.

Então, o “sistema bancário aberto” vai democratizar o acesso a produtos e serviços financeiros mais justos e baratos, para que você escolha onde deseja contratar e não porque só tem aquela opção!