Salários dos brasileiro podem sofrer por nove anos com ‘efeito pandemia’

De acordo com um relatório do Banco Mundial, países como o Brasil sentirão efeitos da crise por quase uma década

Fila de desempregados no Brasil

O brasileiro não tem um minuto de paz. Após estar vivendo em quarentena há quase um ano e meio, a notícia que chega é que a Pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) poderá gerar um efeito rebote de até nove anos sobre o salário do trabalhador no Brasil.

De acordo com um relatório do Banco Mundial (clique aqui para ler o relatório completo), os maiores afetados serão os trabalhadores médios (principalmente aqueles com ensino superior) do país, que além de sofrer com quedas e variações no salário, ainda terão uma grande instabilidade em seus empregos.

“No Brasil e no Equador, embora os trabalhadores com ensino superior não sofram os impactos de uma crise em termos salariais, e sofram apenas impactos de curta duração em matéria de emprego, os efeitos sobre o emprego e os salários do trabalhador médio ainda perduram nove anos após o início da crise”, diz o relatório.

Desemprego também aumentará

Como se não bastasse tudo isso, também segundo o relatório, outro efeito que deverá ser sentido na próxima década, será no aumento do desemprego, que aliás, é algo que o brasileiro vem convivendo desde o início de 2020.

Prova disso, é que atualmente o Brasil está com sua maior taxa de desemprego desde 2012, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), passou a acompanhar tais índices. Ao todo são 14,7% de desempregados no 1º trimestre de 2021, o que dá 14,8, milhões de pessoas.

Saída pela tangente

E a situação só não é pior porque, há alguns anos, os brasileiros desempregados encontraram na informalidade uma forma de se sustentar. Isso ajuda com que os dados do IBGE não estejam ainda maiores. Inclusive, é a própria informalidade que é apontada pelo relatório como uma das soluções para uma possível recuperação do setor, como você verá a seguir.

Soluções

E o relatório não aponta apenas os problemas, em alguns casos ele também fala sobre possíveis soluções. O documento também recomenda modificações no seguro-desemprego e maior atenção às políticas de inclusão de trabalhadores informais no mercado de trabalho, especialmente no cenário pós-pandemia.

O documento também recomenda modificações no seguro-desemprego e maior atenção às políticas de inclusão de trabalhadores informais no mercado de trabalho, especialmente no cenário pós-pandemia.