Pix: o Guia Definitivo sobre o novo sistema de pagamento do Banco Central

Veja tudo que você precisa saber sobre o PIX, o queridinho do mercado quando o assunto é transferências e pagamentos online

Pix Tudo que você precisa saber sobre o novo sistema de pagamento do Banco Central

O Pix fará em novembro deste ano (2021) seu primeiro aniversário, desde que foi disponibilizado para o povo brasileiro. Criado pelo Banco Central (BC), o novo sistema de pagamentos e recebimentos de dinheiro tem ganhado cada vez mais adeptos.

Também pudera, trata-se de um (a) serviço/ferramenta ímpar na vida de todos, principalmente no país que ainda está vivendo a pandemia da Covid-19. E é informado todos os dias que evitem a utilização de moedas e notas.

Por ser algo intransferível e bastante pessoal, assim como os cartões de crédito e contas digitais, o Pix não mudou muito a forma de lidar quando falamos da utilização do dinheiro pessoal.

É um novo sistema gratuito e facilitador que não leva mais do que 10 segundos para a realização de transferências. No guia de hoje falaremos dessa ferramenta que tem revolucionado a economia do Brasil.

O que é o PIX?

O Pix é a nova forma de pagamento instantâneo no Brasil. Criado pelo Banco Central, é o método utilizado por todos na hora de realizar pagamentos por transferência. E o mais interessante é que cai na conta naquele exato momento.

Desde novembro de 2020, milhões de usuários no país estão trabalhando com o Pix. A moeda nacional é a mesma, mas o método foi repaginado o que tem ganhado inúmeros adeptos país adentro.

E por ser rápido, prático e seguro o pagamento chama atenção por levar nada mais que 10 segundos numa eventual transação num centro comercial. É bastante funcional e todos entenderam que é sim vantajoso.

Pix Saque

O Pix Saque é outra novidade que vai impulsionar de maneira rápida o saque da moeda nacional nos próximos meses. O cliente poderá efetuar saques em quaisquer pontos que ofereçam esse tipo de serviço nos comércios e caixas eletrônicos. Bastará que o usuário aponte a câmera do seu celular para o código QR (código de barras digital) e pronto, o Pix será feito para a retirada de dinheiro.

Pix Troco

O Pix Troco o cliente fará um Pix equivalente à soma da compra e receberá a diferença em troco por moeda nacional. E o extrato vai mostrar a compra e os valores a serem recebidos como troco. Vale reforçar que tanto no Saque, quanto no Troco, o limite será de R$ 500,00 durante o dia e R$ 100,00 no horário de 20h e 6h.

Como funciona o Pix

A funcionalidade do Pix começa com um usuário tendo uma conta num banco ou financeira. Feito isso, é necessário ter um smartphone compatível para a instalação de um aplicativo da instituição responsável por sua conta corrente. Esse é o primeiro passo.

Em seguida, no próprio aplicativo, é possível cadastrar a sua “chave”. No Pix o usuário utiliza chaves de acesso para pagamentos como o número de celular, CPF, CNPJ, e-mail, ou chave aleatória que terão a missão de indicar no momento de uma eventual transação qual o caminho para onde o dinheiro será depositado. A chave é apenas um meio de autorização e cadastro, assim como os dados da sua conta corrente que estão na frente do seu cartão de crédito.

Portanto, ao informar a sua chave para outra pessoa, significa que está indicando o meio que ela deverá seguir para efetuar um pagamento. Esse dinheiro vai direto para a conta corrente do seu determinado banco/financeira. Vale reforçar que a tecnologia do QR Code também está presente.

É obrigatório?

Não. O Pix é mais uma forma que visa facilitar a vida do brasileiro na hora de fazer pagamentos. Leva somente 10 segundos numa eventual transação. É seguro, sem burocracia e longe de possuir taxas como em alguns bancos/financeiras é cobrado dependendo do tipo de plano existente para usuários de conta corrente. Pix é praticidade.

Qual é o limite?

O Governo Federal pretende colocar uma nova regra para o limite via Pix no intuito de manter a segurança ao usuário. Dessa forma, a medida visa estabelecer o limite de até R$ 1.000,00 para pessoas físicas, incluindo Micro e Pequenos Empreendedores Individuais, entre as 20 horas e as 6 horas. Uma outra medida será a substituição do prazo de 24 horas (mínimo) e 48 horas (máximo) entre o pedido do usuário para aumento de limites.

É possível agendar um PIX?

O Pix agendado é parecido com o TED agendado, porém sem custos. Basta que o usuário vá até o aplicativo do seu banco/financeira e procure pelo serviço de agendamento de pagamentos via Pix. Vale lembrar que é preciso ter saldo e no caso do sistema da instituição não encontrar os valores acordados a transferência será cancelada.

Funciona para o exterior?

De acordo com o Banco Central o Pix no exterior ainda está sendo estudado e é sim visto com bons olhos, porém ainda sem uma data limite para ocorrer o que deverá ocorrer mudanças cambiais quando for implementado pelo Governo Federal.

Quem pode ter Pix?

O “perfil ideal” é para pessoas que possuem uma atividade econômica ativa. Pessoas acima de 18 anos que exercem movimentações financeiras são bem vindas ao Pix. A ferramenta necessita de dinheiro em conta para utilização, mas isso não impede que o usuário que não tenha uma conta corrente movimentada não possa receber valores.

Quais tipos de conta possuem o Pix?

Para a utilização do Pix basta possuir uma conta corrente, poupança ou carteira digital. Essas informações são fáceis de encontrar dentro do aplicativo do seu banco/financeira. E numa eventual transferência para uma pessoa, bastará saber apenas a chave dela para concretizar a transferência.

Existe alguma taxa para usar o Pix?

O Pix para pessoas físicas está livre de taxas ao contrário, o que é opcional, para pessoas jurídicas. Alguns bancos/financeiras só começaram a fazer cobranças já em março de 2021. E sim, os clientes precisam ser avisados sobre a cobrança no ato da utilização do Pix.

O que muda com esse sistema?

A chegada do Pix completará 1 ano de existência na vida do brasileiro já em 2021. Com a vinda do serviço criado pelo Banco Central a vida financeira das pessoas mudou. A tecnologia tem sido um forte aliado, um facilitador na hora de fazer compras. É a entrada do Brasil num ramo que é bastante comum em países desenvolvidos da Ásia, por exemplo. E por estarmos ainda vivendo uma pandemia em que todo o cuidado com moedas e notas, no tange a higienização é importante, o Pix além de ágil virou motivo de segurança.

O que são as chaves Pix

As chaves Pix são ferramentas que servirão de ajuda para informar quando um usuário poderá transferir valores para outra pessoa ou ao contrário. São basicamente dados pessoais que o usuário possui e que por detrás existe uma segurança que somente aquele dono sabe ao certo se pode ou não informar. Abaixo vamos listar os comuns.

CPF

O CPF é uma opção de cadastro de chaves opcionais que um cliente dentro do aplicativo poderá utilizar. Principalmente se esse usuário for pessoa jurídica e estiver confiante quanto for informar os números numa eventual transferência.

Celular

O número de celular também poderá ser cadastrado por ser fácil de memorizar e é bastante comum as pessoas cadastrarem os seus números em sites de compras, o que é natural a utilização do celular como chave Pix.

E-mail

Outra forma prática nas chaves Pix é a utilização de um e-mail. E vale destacar que os bancos/financeiras enviam ao e-mail pessoal informações de transferências realizadas via Pix. Então a dica é manter o mesmo endereço eletrônico cadastrado no aplicativo como chave Pix.

Aleatória

A chave Pix aleatória é quando é criada uma senha aleatória com uma combinação de caracteres. Essa opção é para clientes que não desejam informar dados pessoais a estranhos.

Como as chaves PIX funcionam

Ambas atuam como um caminho entre a forma de pagamento dentro de um estabelecimento comercial. Será o dono da chave ou chaves, não há limites, que dará a tônica de informar para qual dessas a outra pessoa poderá enviar os tais valores a receber.

Quais são as diferenças entre PIX, TED e DOC?

O Pix é o sistema criado pelo Banco Central para facilitar o uso de transferências de dinheiro, conforme já destacamos. A Transferência Eletrônica Disponível (TED) existe desde 2002 no Brasil e é a forma de transferência de valores que 2016 não possui limites.

O TED é mais rápido e se um usuário deseja que o quanto antes caia o valor na conta ele acontece antes de 17h daquele dia. Após o horário será efetuado na primeira hora comercial do dia posterior.

Já o Documento de Crédito (DOC) é a transferência limitada de até R$ 4.999,99 e só podem utilizar deste serviço as instituições autorizadas pelo Banco Central. E em ambos os casos é permitido a utilização de usuários com CPF e CNPJ.

Quem criou o Pix?

A criação do Pix veio por intermédio do Governo Federal via Banco Central. Os brasileiros tiveram acesso já em novembro de 2020. E foi uma forma das pessoas e empresas terem um serviço que facilita o uso de transferências de valores e também mais segurança uma vez que a sua utilização leva 10 segundos num ato de pagamento ou recebimento de valores.

Quais instituições financeiras possuem Pix?

Após o nascimento do Pix os bancos e financeiras correram atrás para a utilização desse serviço e obviamente manter os clientes. E quase todos que possuem aplicativos como ferramenta de serviço digital possuem o Pix como forma de pagamento.

Pix é confiável?

O Pix não mudou a forma como vimos os serviços bancários de TED e DOC. É preciso ter em mente que dados pessoais são intransferíveis e mesmo quando informados num momento de pagamento saiba que somente o dono do aparelho de celular, conta etc é que pode ter acesso. E no caso de não sentir-se confortável em informar informações pessoais opte pela chave aleatória.

Quais golpes e fraudes do Pix existem?

No Brasil é bastante comum ocorrer golpes pelo telefone para pagamentos de serviços ou situações ditas “fantasmas”. Um outro fator são golpes tentados na internet e falsos sites que vendem produtos que não existem e utilizam do Pix para pagamentos.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) alerta constantemente sobre os riscos de clonagem, falso sequestro etc que precisam estar atentos a uma eventual prática contra o usuário e principalmente no WhatsApp onde ocorrem casos de má-fé. Idosos precisam ser alertados também.

Como se proteger

Revise e configure o limite de seu Pix;
Não utilize a senha do banco em outros aplicativos;
Não anote senhas dentro do celular;
Utilize o bloqueio da tela de início do celular;
Desconfie de números desconhecidos.

Como criar o cadastro?

O passo é bem simples: basta que o cliente tenha conta numa instituição financeira que já tomou para si a utilização do Pix. Feito isso, tenha no smartphone o aplicativo dessa instituição e cadastre uma ou mais chaves. De acordo com o Banco Central mais de 600 bancos/financeiras estão autorizadas para que o cliente tenha acesso ao cadastro.

Como fazer uma transferência com o Pix?

Abra o seu aplicativo do banco ou financeira em que tenha o Pix como forma de pagamento e recebimento, clique em pagar/pagamentos, escolha o Pix, selecione a chave informada para pagamento e informe os valores para enfim confirmar. Certifique-se antes se os valores estão corretos.

Vale a pena ter Pix?

O brasileiro gosta de praticidade e economia. O Pix é uma forma prática e segura no que diz respeito aos pagamentos e recebimentos de valores. Quando são tratados via pessoa física não existem taxas, somente para jurídicas e mesmo assim precisa consultar qual banco/financeira que utilizam da prática, até porque é opcional. O Pix veio para ficar e colocar o país no mapa da modernidade e facilitação no que diz respeito às movimentações financeiras.

Principais vantagens

  • Facilita transações;
  • Funciona 24 horas;
  • Pagamentos em 10 segundos;
  • Centros comerciais e pessoas aceitam;
  • Zero custos para pessoas físicas.

Desvantagens

  • Ainda não permite parcelar;
  • Não há estornos;
  • Aparelho com internet;
  • Possuir contas e aplicativos.